‘Meus olhos viram a glória do Senhor’, disse Martin Luther King um dia antes de ser morto

‘Meus olhos viram a glória do Senhor’, disse Martin Luther King um dia antes de ser morto

Em 4 de abril de 1968, o reverendo Martin Luther King Jr. estava hospedado no segundo andar do Lorraine Motel em Memphis, Tennessee, antes de realizar seu último discurso em prol dos “direitos civis” para os afro-americanos.

Ao sair do quarto, o pastor fez um pedido ao músico Ben Branch, que o acompanharia em uma reunião naquela noite: que ele tocasse o hino “Precious Lord, Take My Hand”.

De acordo com o Penn Live, o líder dos direitos civis e ganhador do Prêmio Nobel conversou com Branch e Jesse Jackson enquanto se apoiava no parapeito.

Uma noite antes dessa conversa, King fez uma pregação no Mason Temple Church em Memphis, intitulada “I've Been to the Mountaintop” (em tradução livre, “Eu estive no topo da montanha”).

O líder falou sobre ter escapado da tentativa de assassinato ao ser esfaqueado por uma mulher negra com um abridor de cartas, em 20 de setembro de 1958.

Na época, King estava autografando seu livro, “Stride Toward Freedom” (Caminhada em direção à liberdade), na loja de departamentos Blumstein no Harlem, Nova York.

Uma mulher veio até ele e perguntou se ele era King. Ao responder que sim, ela o esfaqueou no peito com um abridor de cartas. Os médicos lhe disseram que a ponta da lâmina estava apoiada em sua aorta - um espirro teria causado um furo que o teria matado.

“Estou tão feliz que não espirrei”, disse King.

Perto do final de sua palavra na igreja, King disse sobre as ameaças contra ele: “Bem, não sei o que vai acontecer agora. Temos alguns dias difíceis pela frente. Mas isso realmente não importa para mim agora, porque eu estive no topo da montanha. E eu não me importo.”

King disse que “como qualquer pessoa, eu gostaria de viver – uma vida longa; longevidade tem seu lugar. Mas não estou preocupado com isso agora. Eu só quero fazer a vontade de Deus. E Ele me permitiu ir até a montanha. E eu olhei. E eu vi a Terra Prometida. Eu posso não chegar lá com você. Mas eu quero que você saiba esta noite, que nós, como povo, chegaremos à Terra Prometida.”

“Então estou feliz, esta noite. Não estou preocupado com nada. Não estou temendo nenhum homem. Meus olhos viram a glória da vinda do Senhor”, disse.

Tiro fatal

Enquanto King, Branch e Jackson conversavam em 4 de abril de 1968, um tiro atingiu o líder por volta das 18h.

De acordo com uma reportagem do New York Times, King foi levado às pressas para o St. Joseph's Hospital.

Após o atentado, o diretor da Polícia e Corpo de Bombeiros de Memphis fez uma declaração: “Eu e todos os cidadãos de Memphis lamentamos o assassinato do Dr. King e todos os recursos ao nosso comando e do estado serão usados ​​para prender a pessoa ou pessoas responsáveis”.

De acordo com notícias da época, o pastor estava sangrando profusamente pelo que parecia ser uma enorme ferida na mandíbula direita ou na região do pescoço, enquanto estava deitado de bruços na passarela de concreto, antes de ser levado em uma ambulância do corpo de bombeiros.

Seus olhos apareceram primeiro meio fechados, depois abertos e fixos. Um de seus assessores mais próximos, James Bevel, aflito, disse que depois que o Dr. King foi removido, “acho que ele se foi”. King foi declarado morto pouco mais de uma hora após o tiroteio.

Após o tiroteio, uma agência de notícias informou que “a polícia invadiu a área ao redor do Lorraine Motel na Milberry Street, onde o Dr. King foi baleado. Eles carregavam espingardas e rifles e fecharam o quarteirão, recusando a entrada de jornalistas e outros.”

O assassinato

O líder pacifista foi morto aos 39 anos por um único tiro no rosto, disparado por James Earl Ray, que se posicionou de uma pensão do outro lado da rua.

King estava em Memphis com a Conferência de Liderança Cristã do Sul, que ele fundou, para apoiar uma greve dos trabalhadores do saneamento.

A indignação com seu assassinato resultou em tumultos, saques e incêndios criminosos em mais de 100 cidades nos Estados Unidos, como Detroit, Washington DC, Atlanta, Newark, NJ, Baltimore, Chicago.

De acordo com a reportagem do jornal, 4.000 soldados da Guarda Nacional foram mandados para Memphis pelo governador Buford Ellington imediatamente após o tiroteio e um toque de recolher foi imposto na cidade.

“Branch disse que o tiro veio 'do morro do outro lado da rua'. Ele acrescentou: “Quando olhei para cima, a polícia e os delegados do xerife estavam correndo por toda parte. A bala explodiu em seu rosto.'”

O funeral

O culto fúnebre de Martin Luther King Jr. foi realizado em 9 de abril em Atlanta, sua cidade natal, na Igreja Batista Ebenezer. Seguiu-se um segundo serviço no Morehouse College.

Após o tiroteio, Ray se escondeu por um mês em Toronto, Ontário, e adquiriu um passaporte canadense sob o nome falso de Ramon George Sneyd.

Ele foi capturado em 8 de junho de 1968, no aeroporto de Heathrow, em Londres. Em 10 de março de 1969, Ray se declarou culpado de matar King. Ray foi condenado a 99 anos de prisão, mas depois retratou sua confissão e tentou obter um novo julgamento.

Ele escapou da Penitenciária Estadual Brushy Mountain em Petros, Tennessee, em 10 de junho de 1977, com outros sete detentos. Eles foram recapturados três dias depois. Um ano foi adicionado à sentença de Ray, que morreu na prisão em 23 de abril de 1998, aos 70 anos.

‘Eu tenho um sonho’

Em uma data histórica, 28 de agosto de 1963 ficou marcada pelo famoso discurso “I have a dream” (“Eu tenho um sonho”), feito por King no Lincoln Memorial para a Marcha em Washington por Emprego e Liberdade.

Cerca de 260.000 pessoas foram atraídas para a marcha e o comício, de acordo com a NAACP. O evento foi organizado por líderes dos direitos civis contra as desigualdades raciais.

Os manifestantes queriam a aprovação da Lei dos Direitos Civis que estava paralisada no Congresso.

“Tenho um sonho de que um dia esta nação se levantará e viverá o verdadeiro significado de seu credo: 'Consideramos essas verdades autoevidentes: que todos os homens são criados iguais.' Eu tenho um sonho que um dia nas colinas vermelhas da Geórgia os filhos de ex-escravos e os filhos de ex-proprietários de escravos poderão se sentar juntos em uma mesa de fraternidade”, discursou King.

King recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 10 de dezembro de 1964, por sua campanha não violenta contra o racismo. A cerimônia aconteceu em Oslo, na Noruega. King tinha 35 anos na época e o homem mais jovem a receber o prêmio.

Fonte: Guiame com informações de Penn Live

Postar um comentário

0 Comentários