Polícia israelense que prendia judeus por orar no Monte do Templo, agora se junta a eles

Polícia israelense que prendia judeus por orar no Monte do Templo, agora se junta a eles

Uma foto foi postada na página do Facebook da Beyadenu, uma organização que defende os direitos dos judeus no Monte do Templo, o que há apenas alguns anos seria impossível. A imagem mostra um grupo de homens judeus orando no local sagrado.

A oração em um minyan (um grupo formado por dez homens) é considerada um nível espiritual muito mais alto, permitindo certas orações que um adorador solitário não recita. Quando não tiver o número completo, os homens adiarão a oração até completar os dez.

De acordo com a Beyadenu, isso não é possível para um minyan incompleto no Monte do Templo porque a entrada dos judeus é rigidamente controlada e limitada a pequenos grupos. Assim, quando um grupo de nove homens quis orar no domingo de manhã, eles não tiveram escolha a não ser recorrer ao policial israelense que os guardava o local e perguntar se ele estaria disposto a se juntar a eles em oração. O policial concordou e as orações começaram.

Direitos iguais para os judeus orarem no Monte do Templo são, de fato, protegidos pela lei israelense, mas a polícia decidiu que as preocupações de segurança exigem o não cumprimento da lei. O Waqf (um consórcio religioso muçulmano nomeado pela Jordânia para desempenhar um papel de custódia no local mais sagrado do judaísmo) insiste no monopólio muçulmano, incitando a violência palestina em resposta à igualdade religiosa.

Oração em silêncio

No entanto, segundo o Israel365, a situação está melhorando no Monte do Templo à medida que mais judeus chegam ao local. Recentemente, os judeus foram autorizados a rezar no local com o consentimento tácito da polícia. O Beyadenu observou que a oração judaica ainda deve, lamentavelmente, ser dita em voz baixa.

A postagem também adicionou uma grande seta vermelha, apontando para o policial com a legenda: “Seja esse policial!”.

A legenda ressaltou que, embora tenha havido melhorias, ainda há retrocessos pontuais. No mês passado, o advogado Nati Rom postou em sua conta no Twitter um vídeo de um policial exigindo de um homem que subiu ao Monte do Templo que não abaixasse a cabeça, aparentemente por medo de que ele orasse no local.

Yaakov Hayman, o presidente dos Movimentos do Templo, concordou que a situação no Monte do Templo melhorou, principalmente em relação à polícia, mas ainda há questões básicas não resolvidas.

“Sim, a polícia principalmente nos permite orar”, concordou Hayman, observando que ele havia orado no local na segunda-feira com as orações especiais para o novo mês. “Mas sem talit (xale de oração) ou tefilin (filactérios) e sem o benefício de um livro de orações. E é proibido trazer um rolo da Torá para o Monte do Templo para a leitura pública duas vezes por semana. E não temos permissão para entrar à noite para fazer as orações da noite ou no Shabat.”

“A entrada no Monte do Templo para os judeus costumava significar entrar com os bolsos vazios; sem carteira ou telefone. Os guardas do Waqf gritariam conosco e a polícia israelense só interviria se eles nos ameaçassem fisicamente. Isso mudou quando Yoram HaLevi assumiu o comando. Agora, os guardas do Waqf não se aproximam de nós e a polícia israelense é, na maioria das vezes, verdadeiros mentschen (cavalheiros).”

Hayman insistiu que melhorar a situação dos judeus no Monte do Templo deveria ser um imperativo político nacional.

“O governo não entende que a fonte de todas as nossas dificuldades nacionais, econômicas, militares e sociais, estão todas focadas no Monte do Templo”, explicou Hayman. “Se consertássemos isso, todo o resto se encaixaria. Israel fez um acordo para respeitar o status quo que viola a Torá e até viola os princípios seculares israelenses. Israel insiste em aderir ao status quo, que é um conjunto de leis otomanas antiquadas e racistas.”

Status do Monte do Templo

Hayman explicou que o estado atual do Monte do Templo é baseado em um firman (decreto) do sultão otomano Osman III em 1757 que preservou a divisão de propriedade e responsabilidades de vários lugares sagrados cristãos. Este status quo foi aplicado pela Comissão de Conciliação das Nações Unidas em 1948 a nove locais em Jerusalém e Belém que não incluíam o Monte do Templo. O status quo não foi respeitado depois que a Jordânia assumiu o controle da Cidade Velha de Jerusalém em 1948 e os judeus foram proibidos de visitar qualquer um de seus lugares sagrados na cidade.

Isso cria uma contradição com a lei israelense que protege os direitos universais à liberdade religiosa, que inclui o direito de adoração em locais sagrados.

Hayman observou que permitir a oração judaica no Monte do Templo poderia resolver uma crise social que Israel enfrenta hoje.

“O movimento reformista quer orar no Kotel (Muro Ocidental)”, disse Hayman. “A praça é um local de oração ortodoxa e, como tal, a oração mista é proibida. Isso está criando um enorme problema para o governo que, na maioria das vezes, escolhe valores liberais anti-Torá em vez de direitos judaicos. Afinal, o Kotel é um muro de contenção que ficava fora do Templo. Se o governo permitisse que os judeus orassem no Monte do Templo, que judeu ortodoxo escolheria o kotel em vez de orar em nosso local mais sagrado? Isso seria como se recusar a entrar na sinagoga e insistir em orar do lado de fora no estacionamento.”

Fonte: Guiame

Postar um comentário

0 Comentários