Pastores russos iniciam movimento de jejum e oração em apoio à Ucrânia

Pastores russos iniciam movimento de jejum e oração em apoio à Ucrânia

A invasão da Rússia à Ucrânia, iniciada na quinta-feira, 24 de fevereiro, em várias cidades, fez com que pastores e líderes evangélicos russos se manifestassem. Alguns, de forma mais ousada, chegam a usar a bandeira ucraniana em seus perfis de mídias sociais. ​​

Victor Sudakov, pastor sênior da New Life Church em Yekaterinburg, a quarta maior cidade da Rússia, mudou sua foto de perfil do Facebook na quinta-feira para incorporar uma pequena bandeira ucraniana. No sábado, ele mudou sua foto de capa para exibir a bandeira e o tryzub, o tridente de ouro do brasão oficial da Ucrânia.

A ação do pastor pentecostal, parte da União Russa Associada de Cristãos de Fé Evangélica-Pentecostal (ROSKhVE), atraiu centenas de comentários. “Irmão, eu sempre pensei e disse que você era um homem corajoso”, afirmou um. “Não há preço para o que você está fazendo agora!”

No domingo (27), Sudakov se vinculou a uma petição do Change.org destinada a russos que se opõem à guerra na Ucrânia. Mais de 960.000 pessoas assinaram o documento virtual até a noite de domingo.

No dia 25, a declaração oficial da ROSKhVE citou Atos em referência aos lugares designados por Deus para as pessoas viverem.

“Independentemente das causas, a guerra é um mal terrível”, afirmou. “Deus nos chamou para amar [e] os valores primários não devem ser os contornos específicos das fronteiras, mas as almas humanas”.

Orando para que a paz “seja restaurada o mais rápido possível”, pediu jejum “até a resolução divina do conflito fratricida”.

Como Kirill, ROSKhVE tomou como base a história secular de unidade entre evangélicos russos e ucranianos. Muitos dos missionários deste último, afirmou, agora servem como pastores e bispos de igrejas. Eles esperam que isso acelere uma reconciliação precoce.

“Lamento muito que meu país tenha atacado seu vizinho”, afirmou Constantin Lysakov, pastor da Igreja Bíblica de Moscou. “Não importa como chamemos esse evento, não importa como o justifiquemos, … não há transferência de culpa quando você está se arrependendo. E todos nós devemos nos arrepender pelo que aconteceu.”

“Há apenas uma fonte de conforto em tudo isso para mim”, escreveu ele no Facebook. “Cristo está no trono, Deus Pai tem tudo em Suas mãos, o Espírito Santo enche o coração de quem nele confia e nada pode superar o Seu poder. Deus faz as maiores obras de redenção quando tudo parece sem esperança. (…) Oro pela paz”.

Lista de orações

Com a eclosão da guerra, Yevgeny Bakhmutsky falou de forma semelhante.

“Minha alma está triste, meu coração está dilacerado de horror e vergonha, e minha mente está chocada com a insanidade humana”, disse o pastor da Igreja Bíblica Russa em Moscou. “Não somos políticos, somos filhos de Deus. Não somos chamados a refazer o mapa geopolítico do mundo para agradar este ou aquele governante. (…) Que o mundo veja que os filhos de Deus amam e aceitam uns aos outros, não por causa da língua [ou] nacionalidade (…), mas porque foram aceitos por Cristo”.

Um texto bíblico frequentemente citado nas igrejas evangélicas russas no domingo após o início da guerra foi o Salmo 2:1. Por que as nações conspiram e os povos tramam em vão?

Outras igrejas se concentraram na solidariedade e na oração.

Em toda a Rússia no domingo, as cerca de 700 igrejas dentro das 26 uniões protestantes que compõem a Comunidade de Cristãos Evangélicos de Toda a Rússia declararam em conjunto um tempo de oração e jejum pela paz, disse Pavel Kolesnikov, ex-presidente da ARCEC e diretor regional da Eurásia para o Movimento de Lausanne. “Esta é a nossa ação”, disse ele ao CT.

Sua agenda de oração incluiu cinco ênfases:

1) Pela paz entre os povos irmãos da Rússia e Ucrânia

2) Para que as autoridades e “governantes” tenham temor de Deus, força e vontade de pacificação

3) Pela segurança do povo da Ucrânia, bem como dos cristãos que vivem na Ucrânia em locais de conflito armado

4) Pela Igreja, para que Deus a preserve de divisões e conflitos em meio à situação agravada

5) Compreender como cada associação de igrejas pode responder às necessidades das pessoas afetadas pela guerra

Em sua própria igreja, a Igreja Batista Zelenograd, em Moscou, Kolesnikov pediu aos participantes do culto matinal que dessem as mãos – todo homem, mulher e criança – para orar por paz e sabedoria para os governos de ambos os países. Sua igreja também está coletando suprimentos, como muitas igrejas russas, para ajudar os refugiados ucranianos em nações vizinhas.

"Não é a nossa guerra", disse ele. “Nós amamos nossos irmãos e irmãs ucranianos.”

Juntando-se ao jejum no domingo, a União Russa de Batistas Evangélicos Cristãos conclamou os crentes a serem pacificadores.

“Abençoe as nações inquietas e envie paz, arrependimento. Estamos pedindo sua misericórdia para todos”, disse Sergey Zolotarevskiy, pastor da Igreja Batista Central em Moscou, sem mencionar diretamente o conflito.

Oleg Alekseev, pastor da Fonte da Água Viva, a igreja batista mais antiga de Voronezh (na Rússia central), usou o Salmo 2 como o texto principal de sua mensagem.

“As verdadeiras vitórias não acontecem lá, nem o bem-estar se origina lá”, disse ele, referindo-se ao campo de batalha. “Ela se origina [na igreja], quando fielmente [oramos por] reis, governantes e todos os povos.”

Ruslan Nadyuk, chefe de departamento do Seminário de Cristãos Evangélicos de Moscou, disse que a resposta apropriada é o silêncio orante, destacando Tiago 5:16. A oração de uma pessoa justa é poderosa e eficaz.

‘Oramos muito’

Condicionados durante décadas de perseguição sob os czares e comunistas, muitos crentes russos decidiram que protestar é inútil na melhor das hipóteses e perigoso na pior. Entre os efeitos estava um aprofundamento de sua vida de oração, disse Andrey Shirin, um professor de seminário nascido na Rússia na Virgínia que pesquisou sermões e comentários no Facebook de pastores russos em nome do CT.

“Quando as revoltas começam, os evangélicos russos não falam muito sobre elas – principalmente quando são de natureza política”, disse Shirin. “No entanto, os evangélicos russos oram muito. Na verdade, eles acreditam que essa resposta é a mais potente.”

Como Bakhmutsky, o pastor de Moscou, declarou no Facebook: “Não se apresse em julgar os outros através do prisma de sua cultura, situação e consciência. Não pense na oração como algo insignificante ou inútil. Para a maioria de nós, isso é tudo o que nos resta.”

Mas alguns pastores foram mais diretos em seus comentários.

Yuri Sipko, ex-chefe da maior denominação batista da Rússia, disse que, em primeiro lugar, os cristãos devem responder com oração. A resposta de Jesus, no entanto, responderia aos eventos na Ucrânia com as palavras de João 15:13. “Ninguém tem maior amor do que este: dar a vida pelos amigos.”

Para os ucranianos, disse ele, esse deve ser o princípio orientador da guerra.

Andrey Direenko expressou sua consternação.

“Dor, lágrimas, horrores de derramamento de sangue dilaceram nossos corações”, disse o bispo pentecostal de Yaroslavl, na Rússia central. “Parece um pesadelo, mas é uma realidade horrível.”

E no meio disso, os ministérios responderam.

“Peço a todas as famílias com órfãos, bem como às famílias que criam crianças com deficiência e que desejam se mudar para áreas mais seguras, que escrevam sob este post”, afirmou Nicolai Kuleba, o ombudsman evangélico para crianças na Ucrânia. “Deixe comentários, forneça um número e entraremos em contato com você.”

Fonte: Guiame

Postar um comentário

0 Comentários