Cidade dos EUA irá indenizar grupo após prisão por orar em clínica de aborto

Cidade dos EUA irá indenizar grupo após prisão por orar em clínica de aborto

Um condado da Carolina do Norte concordou em pagar a um ministério pró-vida US$ 15.000 em honorários advocatícios como parte de um acordo envolvendo prisões de vários cidadãos fora de uma clínica de aborto, de acordo com um grupo jurídico que representa o ministério.

O acordo entre o condado de Guilford e o ministério “Love Life” encerra parte de uma polêmica que começou em março de 2020, durante as primeiras semanas da pandemia.

Naquele período, a polícia prendeu membros do “Love Life” por supostamente violar as restrições do Covid-19 do lado de fora da clínica de aborto A Woman's Choice em Greensboro.

Os membros estavam orando e realizando aconselhamento na calçada, embora insistissem que estavam seguindo as recomendações do CDC para distanciamento social.

A Alliance Defending Freedom (ADF) processou o condado e a cidade de Greensboro em nome do ministério e dos membros, afirmando que as ações da polícia violavam a garantia da Primeira Emenda de liberdade de expressão e liberdade religiosa.

“O governo pode se preocupar com saúde e segurança e ainda respeitar as liberdades constitucionalmente protegidas garantidas aos cidadãos”, disse a conselheira sênior da ADF, Denise Harle.

“Desde o início, este caso foi sobre o governo silenciando as pessoas porque não gostou do que elas tinham a dizer. Se as empresas de aborto pudessem permanecer abertas para realizar abortos eletivos durante a pandemia, os cristãos que obedecem às diretrizes de saúde e segurança certamente deveriam poder orar do lado de fora”, argumentou.

“Parabenizamos as autoridades do condado de Guilford por concordarem em respeitar os direitos de liberdade de expressão dos membros do Love Life e reconhecer sua liberdade de orar e falar em praça pública, e convidamos a cidade de Greensboro a fazer o mesmo”, acrescentou Harle.

Fonte: Guiame

Postar um comentário

0 Comentários