Mulher dá à luz após quase 5 meses de batalha contra a Covid-19: ‘Vimos um milagre’

Mulher dá à luz após quase 5 meses de batalha contra a Covid-19: ‘Vimos um milagre’

Sheenah Berry está em sua casa na, Geórgia, após 136 dias no Hospital Piedmont Atlanta. A mulher de 37 anos estava grávida de pouco mais de quatro meses, no final de agosto, quando contraiu Covid-19, possivelmente de seu filho KJ, de 8 anos.

"Tudo parece surreal", diz Berry, segurando sua recém-nascida, Kensley. "Fiquei morando no hospital 4 meses e meio."

Uma semana após ser internada, Berry conta que estava lutando para respirar: "Isso foi em 2 de setembro, na verdade, e eu fui para Piemonte Henry, e não voltei para casa até sábado [agora]".

Ela não se lembra muito de sua batalha, mas sua irmã Wandalyn McKinney diz que a família, junto com o noivo de Sheenah, Brandon, estão preenchendo as lacunas para ela.

McKinney diz que as coisas se desenrolaram rapidamente para Berry. Em poucas horas, o hospital informou à família que Berry precisaria ser colocada em um ventilador mecânico e eles estavam tentando transferi-la para Piedmont Atlanta.

“Ela conseguiu ligar para nossa mãe e avisá-la que seria colocada em um ventilador”, diz McKinney. "Então, eles meio que fizeram um FaceTime um com o outro, e ela disse à nossa mãe: 'tenho que ir', e essa foi a última conversa que tivemos com ela por quase um mês".

Uso de ECMO

Transferida para Piedmont Atlanta, Berry estava gravemente doente.

"Ela realmente estava sem opções", diz o Dr. Peter Barrett, chefe do programa ECMO do Piemonte.

ECMO significa oxigenação por membrana extracorpórea e é semelhante a uma máquina de bypass coração-pulmão, projetada para dar tempo ao coração e aos pulmões de um paciente para descansar e se recuperar de um desafio médico com risco de vida como a Covid-19.

Barrett diz que várias pessoas já haviam "desistido" de Berry naquela época. O Hospital de Piemonte colocou 112 a 114 pacientes com Covid-19 em máquinas ECMO desde o início da pandemia.

Ainda assim, ele diz que os riscos eram incrivelmente altos tanto para a mãe quanto para o bebê.

"Sua gravidez foi no início do segundo trimestre, e não tínhamos colocado ninguém tão cedo [na máquina] antes", conta o médico.

Coma induzido

Por quase dois meses, com Berry em coma induzido, a máquina de ECMO bombeou sangue através de uma cânula para fora de seu corpo e para uma máquina de pulmão artificial conhecida como oxigenador antes de entregar o sangue oxigenado de volta ao corpo através de outro tubo.

“O objetivo final seria tentar levar Rasheenah e seu bebê ao ponto de viabilidade, onde ela pudesse ser entregue e gerenciada pelo neonatologista”, diz Barrett.

Houve muitos pontos baixos, diz Barrett, quando Berry lutou contra o delírio e o líquido amniótico do bebê começou a cair.

Nos primeiros dois meses, sua família não pôde estar com Berry por causa das rigorosas precauções de segurança Covid-19 do hospital.

Em vez disso, diz McKinney, a equipe da UTI Piedmont Atlanta ligou 3 ou 4 vezes por dia com atualizações sobre como sua irmã estava.

"Ela estar em dois sistemas de suporte de vida ao mesmo tempo, foi definitivamente uma mudança de vida, eu sei para ela, mas para nós também, por causa da preocupação, não poder vê-la, falar com ela por tudo isso. tempo", diz McKinney. "Nós orávamos por eles constantemente. E minha mãe, dizia que ela sabia que eles ficariam bem."

O bebê de Berry chegou às 37 semanas. Kensley nasceu de parto cesariana em Piedmont Atlanta. Ela era pequena, pesando pouco mais de 2 quilos, mas estava saudável.

"Foi como testemunhar um milagre com nossos próprios olhos", diz McKinney. "Ver que minha irmã foi capaz de lutar e sobreviver, e agora ela está trazendo sua filha, uma criança, ao mundo. Foi absolutamente incrível."

‘Obrigada, Deus’

Berry diz que ficou aliviada a primeira vez que viu a filha.

"Foi tipo, 'Ok, nós fizemos isso. Conseguimos. Obrigada, Deus", diz ela. "E eu só quero que todas as mães grávidas saibam que precisam ser vacinadas porque isso pode ajudar."

Depois de rejeitar inicialmente a vacina Covid-19, Berry diz que mudou de ideia quando engravidou, depois de pesquisar os riscos que o coronavírus pode representar para mulheres grávidas.

Por causa de algumas complicações, diz ela, junto com seu médico decidiram que ela deveria esperar até o segundo trimestre para tomar a vacina. Nesse meio tempo ela ficou doente.

Berry finalmente foi vacinada quando estava no hospital, semanas antes do parto. "Eu estava realmente animada com isso", diz ela. "Porque, como minha irmã disse, é apenas um pouco mais de proteção, um pouco de segurança sabendo que eu tenho esse escudo."

Ser vacinada mais cedo, diz ela, poderia tê-la poupado dessa provação.

"Eu sei que se eu tivesse sido vacinada, minhas lutas no hospital não teriam sido tão ruins quanto foram", diz ela. "Estou agradecida por ter saído do outro lado."

Ela ainda está com oxigênio, mas Berry e Kensley estão em casa e passam bem.

Após 136 dias, segurar seu bebê parece um presente. "Ela é perfeita", diz Berry, olhando para sua bebê. "Ela é simplesmente perfeita."

Fonte: Guiame

Postar um comentário

0 Comentários