'Deus respondeu às nossas orações’, diz cristão sobre fim de governo islâmico no Marrocos

'Deus respondeu às nossas orações’, diz cristão sobre fim de governo islâmico no Marrocos

O Partido Islâmico da Justiça e Desenvolvimento, no governo desde 2011, obteve apenas um décimo dos 125 deputados que tinha na Câmara dos Representantes nas eleições realizadas em Marrocos em setembro.

Com apenas 13 cadeiras, o antigo principal partido político ficará em segundo plano na oposição. O vencedor é o liberal Aziz Akhannouch, que conseguiu 102 deputados pelo Rally Nacional dos Independentes.

Akhannouch foi nomeado o novo chefe de governo e foi encarregado pelo rei Mohammed VI de formar um novo governo, com os partidos que “compartilham os mesmos princípios e valores”.

Para Mustafa Akalay, renomada figura acadêmica marroquina, historiador da arte e gerente de atividades culturais, “as pesquisas falaram e o povo escolheu um governo não confessional”.

“Nessas eleições, o partido Justiça e Desenvolvimento foi severamente punido e abandonado por sua própria base eleitoral, decepcionado com sua falta de jeito e seu discurso ambíguo e de duplo padrão”, frisa Akalay.

Orações por mudança

“Agradecemos a Jesus, os islâmicos se foram. Deus respondeu às nossas orações e agora temos o governo que queríamos”, disse Imounan, um plantador de igrejas que vive em Agadir, ao Christianity Today.

“Akhannouch é um empresário. Ele não se importa se você adora o sol ou a lua. Ele não vai te perseguir”, disse outro cristão sobre o novo governante.

O site de notícias espanhol Protestante Digital conversou com uma comunidade de cristãos no Marrocos que “prefere se reunir em segredo”, e eles “não têm nenhum desejo de solicitar quaisquer licenças ao governo marroquino. Estamos sempre dispostos a sacrificar nossos interesses pessoais para servir aos interesses do Reino de Marrocos”.

No entanto, eles “estão muito orgulhosos porque o Islã político saiu do governo por meio de eleições e consórcios e não por meio de golpes, como aconteceu no Egito, na Tunísia ou na Argélia".

“Consideramos que o Reino de Marrocos representa uma referência única na sua região, estando em processo de transferência pacífica do poder através das eleições e da aplicação da lei”, concluíram os cristãos marroquinos.

Nova fase política

Depois de uma década com um governo controlado por islâmicos moderados, que chegou ao poder em meio à primavera árabe, muitos marroquinos estão ansiosos por essa nova fase.

“Estamos todos entusiasmados com a mudança política. É uma nova etapa que se abre na busca de um novo modelo de desenvolvimento econômico e humano em Marrocos, desenhado por uma comissão de especialistas por um período de 15 anos, até 2035”, explica Akalay.

Akalay acredita que “uma nova era de reformas se aproxima e há vislumbres e boas intenções de mudança, como a eleição de prefeitas nas três principais cidades: Rabat, Casablanca, Marrakesh”.

Fonte: Guiame

Postar um comentário

0 Comentários