Mãe de Abner Teixeira se ajoelha em oração enquanto filho vai ao ringue nas Olimpíadas

Mãe de Abner Teixeira se ajoelha em oração enquanto filho vai ao ringue nas Olimpíadas

Foi de joelhos que a mãe do lutador de boxe Abner Teixeira acompanhou as lutas do filho nos Jogos Olímpicos de Tóquio. O atleta chegou à semifinal e conquistou na terça-feira (3) a medalha de bronze na categoria peso pesado (até 91 quilos).

“Assisti de uma maneira diferente. Ajoelhada e orando. Eu falo que o meu coração está bom porque é pressão total. E eu só consegui me levantar na hora que acabou a luta”, disse Izaudete Sampaio à TV TEM, afiliada à Globo.

Durante os três rounds, Izaudite permaneceu de joelhos em oração pelo filho, ao lado de toda a família. “Eu nem olho. Só ouço e oro, pedindo a Deus para que o guarde e o proteja”.

A poucas horas do confronto com o cubano Julio la Cruz, que poderia levar Abner à final olímpica, a mãe buscou encher o filho de fé: “Conversamos e ele está bem, tranquilo e na expectativa de fazer uma boa luta. Também oramos por telefone”, contou Izaudete.

“A expectativa é boa, precisamos ser positivos e estou orando para ele atingir o seu objetivo. Creio que Deus vai agir e fazer o melhor para ele. Ele pediu para que eu fizesse a minha parte e orasse por ele, que ele faria a parte dele na luta”, acrescentou a mãe do atleta.

Com a derrota na semifinal para o cubano por 4 a 1, Abner não escondeu a decepção, mesmo tendo a medalha garantida. No entanto, em Sorocaba, onde mora a mãe, o resultado trouxe muito orgulho e alegria.

“O sentimento é de dever cumprido. É óbvio que o sonho dele era trazer o ouro, mas ele é muito guerreiro, tem muito foco nos objetivos. Ele queria muito, mas todos que estão lá também queriam. Por isso, eu fico em paz, porque ele representou o Brasil e representou Sorocaba. Eu penso muito na parte física e emocional dele também, então, se ele está bem, eu fico bem”, afirma Izaudite.

Abner nasceu em Osasco e logo se mudou para Sorocaba, no interior de São Paulo. Foi lá onde conheceu o projeto social “Boxe - Mãos para o Futuro”, do professor Vladimir Godoi e se apaixonou pelo esporte.

Abner foi bicampeão brasileiro juvenil e de elite e se tornou uma das referências no boxe nacional na categoria acima de 91 quilos. Ele conquistou medalha de bronze no Pan de Lima, no Peru, em 2019. Nas Olimpíadas de 2021, Abner levou a quinta medalha de bronze do boxe brasileiro na história dos Jogos Olímpicos.

Fonte: Guiame

Postar um comentário

0 Comentários